sábado, 17 de abril de 2010

A marca letárgica da conversa

Olhar a tecelã
tecer
deixa-me
entre o sonho
e a vigília

Espeto o dedo
no fuso

E adormeço
cem anos

3 comentários:

  1. Olá,

    Belos contos e poesias.

    Fico feliz que segue meu simples blog Yeladim.

    Desejo-lhe a Paz

    ResponderExcluir
  2. E o sono de 100 anos promete muita poesia...

    ResponderExcluir