domingo, 13 de setembro de 2009

A pequena contadora de histórias

Me chamo Carolina, tenho oito anos, e gosto de contar para minhas amigas de minhas duas avós.
Vovó Eliane, mãe de minha mãe é mineira e artística. O porta-malas de seu carro vive cheio de sacolas ecológicas. Sei o que são as sacolas porque pergunto tudo o que quero saber, e vovó me responde. Ela faz compras no supermercado com sacolas ecológicas, que ela mesma corta e costura. "Os sacos de plástico poluem nosso planeta", vovó diz. Outro dia ela me deu uma sacola de chita estampada com araras vermelhas e azuis, que uso quando vou à praia. As sacolas de vovó têm muitos usos, você que escolhe.
A oma Gisela, mãe de papai, me educa. Me ensina comer com boca fechada e segurar o garfo com o dedo fura-bolo e o dedo mata-piolho, apoiados no dedo pai-de-todos. A vovó Eliane dá esses nomes engraçados para os dedos, no lugar de dizer o indicador, o polegar e...bom, o pai-de-todos. Como é mesmo o nome careta para o dedo do meio?
Vovó é engraçada e ri muito. Tudo que eu faço é báááááárbaro! E acabo achando bááárbaros meus desenhos e idéias artísticas. Quero ser ilustradora.
Oma sabe muito de educação, mas para andar de balão e saltar de para-queda não precisa ser bem educada, acho que precisa é de coragem. E é pintora de quadros, nas horas vagas.
Vovó me diz para quebrar, preciso conhecer as regras. E me conta que a gente aprende a quebrar pedras e regras, senão a vida fica sem graça. Vovó Eliane é poeta, brinca com as palavras como brincava com os bichos e as crianças quando era pequena. Foi a menina arteira que subia nos muros e procurava cavernas. Agora, quando me vê encima de um muro, tem medo que me machuque. "Como é que pode?" Pergunto com as mãos na cintura . Mamãe, então, recorda para vovó que ela ensinou as três filhas andarem encima de muros. Vovó diz:
_ Acho que estou ficando velha, tenho medo de osso partido.
Vovó contou que não anda de balão nem salta de para-queda com oma, porque morre de
medo de osso quebrado. O que vovó quebra são as regras gramaticais, com seus poemas. Pedras nunca vi vovó quebrando.
Quando mamãe e papai namoravam, achavam vovó e oma tão diferentes, que não tinham esperança de ficarem amigas. Achavam isso antes mesmo das duas se conhecerem. Conformados, desistiram da futura amizade delas.
_ Seria tão bom se não fosse impossível, vaticinavam. E avisaram suas mães da triste situação:
_ Vocês não vão se dar bem, que pena!
Vaticinar é uma previsão de futuro. Vovó Eliane me conta das palavras, como antes o avô dela lhe contava).
Papai e mamãe ficaram noivos, e meus quatro avós se conheceram. Tenho dois avós, vovô e opa. Depois da festa do noivado os quatro saíram para tomar alguma coisa, e até hoje nunca mais pararam de tomar alguma coisa juntos. Vovó e oma inventaram que são amigas desde a infância. E gostam de contar que voam juntas à noite, em suas vassouras.
Outro dia perguntei a vovó:
_ Com um gato preto?
Vovó respondeu:
_Não precisa ser gato, pode ser cachorro.
Então imaginei os três cachorros de oma voando com elas, em fila, um atrás do outro, soltando puns para voar mais rápido.
Vovó não tem bichos em casa, e voa com a Chiquinha, minha cadela. E com os gatos da Amanda, minha prima caçula que mora em Madrid. Amanda tem duas gatas, Flora, a angorá, e Olímpia, que é filhote e preta.
Essas são minhas avós.

2 comentários:

  1. Que delicia ..........essa promete

    ResponderExcluir
  2. Eliana, que netinha brilhante e parecida com a avó...

    bjos

    Mariinha

    ResponderExcluir