sábado, 29 de março de 2014

Fragmentos de um texto:


Usando de uma metáfora e/ou imagem, o pintor é o maestro. O quadro o palco. O pintor precisa de rigor poético _ como o rigor ao qual nos referimos em Stravinski. O pintor e as cenas invisíveis encontram-se na tela em branco. Os músicos convidados pelo maestro vão surgindo. Cada pincelada, cada cor, cada forma ou ausência de forma são personagens convidados, ou não. Aquele não convidados para aquela composição, apagados pelo maestro. Embora pegadas sejam importantes, e parte. A pintura é camadas sobre camadas, criação de temporalidade na tela. Segundo Sergio Fingermann, trata-se de tentativas fracassadas de narrar.

4 comentários:

  1. Interessante comparar as pinceladas de um pintor...com as tentativas fracassadas das palavras... Gostei!
    Um beijo
    Graça

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Graça. Vou publicar outros fragmentos. Volta! Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. depois de um tempo afastada, estou retornando com meu blog..
    adoraria receber tua visita..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir