quinta-feira, 29 de maio de 2014

Conversas no Ateliê (de Eliane Accioly)


Sergio Fingermann estabelece a diferença entre olhar e ver. Para ele o pintor aprende a ver. Trata-se de um olhar criado através do tempo de prática, de muito trabalho e dedicação, de fé e confiança. Em nossa pesquisa de como trabalhamos, precisamos da descoberta de qual método cada um de nós usa para pintar o que pinta. Ou seja, descobrimos as regras e as leis criadas que vamos usar e aplicar na própria pintura ou tela. O método e as leis são singulares, cada pintor cria as suas, o seu. Fazer arte exige custos, pagamos preço: abandonamos a ingenuidade.

Na arte a intuição pode ser dom, mas sozinha serve para nada; ou serve para nos levar à arte. Entregamos a intuição ao comando da consciência. O método de trabalho é que é chamado de procedimento estético. Cada artista desenvolverá o seu, na duração de seu processo. A intuição se juntando à consciência? Paradoxal? Sim, elas coexistem, uma precisa da outra. 

Mark Rothko trabalha com cores, mais do que formas/ou e desenhos. Não se trata em Rothko de pintar paredes, uma brincadeira entre colegas... Rothko cria com as cores camadas sobre camadas, entremeaduras, tessituras, e através dos entremeios pode-se ver o interior do interior, sem nunca ter fim. Ou seja, ver o que não vemos. Sergio chama as pinceladas do(s) artista(s) de narrativas fracassadas de narrar. Kandinki, por seu lado,  usa formas/desenhos no seu método de transcender. E por aí vamos adentrando no desconhecido que podemos conhecer. Um pouco.

8 comentários:

  1. Intuição carregada de memória. Olhar e ver se tornam a mesma coisa. Intuição, memória e imaginação. Ora a narrativa, ora a ação direta. Ora o narrador, ora o ator. Tornar visível o invisível ou tornar invisível o visível. Ser uma transição entre o real e o imaginário. Procedimentos estéticos, sim. Viver é um procedimento estético. O consciente e o inconsciente estão sempre juntos, embora teóricamente tendemos a separá-los. Corpo e alma, cérebro e mente. Tesituras e conecções é um procedimento não apenas artísticos mas da vida como um todo. No caso do artista podemos dizer que é o seu ponto de concentração, mesmo no improviso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Admiração por você é o que sinto. Gosto muito de estar com você em nossos espaço na net. Abraço forte!

      Excluir
  2. Gabriel Arcanjo, gosto de tudo o que fala, e como fala. Uma belezura!!!!

    ResponderExcluir
  3. E se a obra não permeia o desconhecido, não será obra de arte.

    Muito bom texto.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quierida amiga!!!!! Amor e admiração!!!!!!!!!!

      Excluir
  4. É para mim uma honra acessar ao seu blog e poder ver e ler o que está a escrever é um blog simpático e aqui aprendemos, feito com carinhos e muito interesse em divulgar as suas ideias, é um blog que nos convida a ficar mais um pouco e que dá gosto vir aqui mais vezes.
    Posso afirmar que gostei do que vi e li,decerto não deixarei de visitá-lo mais vezes.
    Sou António Batalha.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se ainda não segue pode fazê-lo agora, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    Que a Paz e saúde esteja no seu coração e no seu lar.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Neste novo ano estou a tentar visitar todos os amigos da Verdade Em Poesia afim de lhes desejar um 2016 muito feliz cheio de grandes vitórias e muita saúde e Paz.
    António.
    Ps. Tive de seguir novamente pois estava a seguir sem foto.

    ResponderExcluir
  6. estamos juntos desde Portugal e Brasil, na net. Venha e venha1 Irei também.

    ResponderExcluir